sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

DESCOBRI O QUANTO TE AMO!

ELA não me faz tanta falta assim no entanto, muitas vezes me pego pensando
que os vaga-lumes salpicados em abundância
nos campos vazios , nas noites de verão
eles sim reclamariam um apagão

se observassem pelo menos por um instante
a luminosidade ímpar da esmeralda liquida
que enche as pupilas mimosas
dos seus olhos fagueiros

Sou enfático em afirmar, ela não me faz tanta falta assim
no entanto, há momentos em que, absorto numa reflexão
imagino que o bicho-da-seda
interromperia sisudo, ranzinza, seu novo brocado
se sentisse num breve toque
a qualidade da seda maviosa que reveste a morenice suave
de seu corpo, gentilmente sinuoso
delicadamente coleante,

Continuo insistindo, ela não me faz tanta falta assim
só que há dias, em que,
ao abrir o seu leque de inúmeros predicados, reconheço:
que o jovem colibri, no zênite de seu vôo,
ao talhar os campos azuis
cairia fulminado, lívido, esquálido
talvez ainda tépido,
se sorvesse nas flores d’alma
o prisma de sensações singulares que é refletido
em todo o meu ser
ao você compor, mais um daqueles sorrisos,
qual banho de quimera n'alma, doce e cativante

E que os bastos frocados de neve,
só cairiam na madrugada
para esconder-se ruborizados
na lousa negra e fria da noite,
ao observarem por um breve momento
as contas que enfileiram, como que um alvo colar de perolas
também doados generosamente,
por esse seu sorriso melífluo,
que me é vital

Persisto em dizer,
ela não me faz tanta falta assim
no entanto, admito
que Saturno ficaria com inveja
descarregando com austeridade um: “ Os meus duram mais!! “
ao perceber estupefato, a perfeição e encanto
dos anéis de um brilho negro azeviche, nunca vistos
de seus cabelos, que me embaraçam de paixão

Decididamente cheguei a conclusão:
ela não me faz tanta falta assim, entretanto
aqui ruminando um pensamento:
não discordaria que:
o Etna, no ápice de sua cólera, se calaria
o El Ninho,
com seus tentáculos gigantescos e irrequietos de medusa
no apogeu de sua ira, se deteria
que as asas vorazes da borrasca,
sulcantes no seio do pacífico se quebrariam
Que as serpentes monstruosas e reluzentes,
dardejadas das entranhas da procela,
se converteriam em ingênuos coriscos,
Katrina, como ingênua menininha, em pânico
com medo do véio do saco,
sumiria

E que finalmente , as Cataratas do Iguaçu
promoveriam 2 minutos de silêncio
se todos juntos, sim todos!
Assistissem de camarote, na última sessão,
Boquiabertos, emudecidos, com suas pipocas intocáveis,
se todos presenciassem
as tempestades turbulentas, colossais e sem detença
que ocorrem, nos recônditos d’alma,
e no âmago do coração,

Por não ter mais você.


Razão de viver.

Nenhum comentário: