quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Lagrimas.


Sempre tive medo
De me perguntar
Se a vida era só
Uma lágrima

Uma lágrima que molha o papel
Ou somente uma nuvem que some no céu

Então a resposta veio
Sem eu perguntar
Em seus olhos eu vi um brilho
Eu parecia me chamar

E dizia com uma voz doce
Que tudo isso um dia vai passar

Mas então um dia
Esse brilho desapareceu
E junto com ele
Também se foi o brilho meu
E até hoje
Não consigo aceitar
Que a rosa mais bonita
Não quer me perfumar

Tudo porquê você achou
Que podia me amar
E na mesma noite
Me abandonar

Você sabe que o seu sorriso
Pode me hipnotizar
E fazer de mim o que bem pensar...

Um comentário:

Fer disse...

muito profundo.